A moda do raio gourmetizador

Desde o ano passado faço duas resoluções de ano novo, uma para mim e outra para a empresa. Em 2015 tenho muitas ideias pro Compras com Estilo, uma delas é retomar o blog diariamente ou pelo menos com mais frequência do que andei fazendo no ano passado. Comecei com atraso porque confesso que estava super babona com a matéria da Band  que passou na tv e quis deixar ela uns dias no topo. Mas agora vamos voltar aos outros assuntos. Resolvi começar por um que tem sido muito falado e perguntado pra mim, o tal do raio gourmetizador que tem invadido São Paulo, não só na comida, mas nos produtos em geral.imagem 1 moda do raio gourmetizador

Resolvi falar sobre o tema porque ontem eu fui ao Shopping Cidade Jardim conhecer o Food Hall, um espaço localizado na cobertura do shopping que traz uma ideia um pouco diferente do conceito de praça de alimentação. Cheio de marcas conhecidas e algumas iniciantes, o visitante pode escolher levar as comidinhas do andar de baixo para casa ou comer na hora no andar de cima. Alguns produtos são legais e diferentes, mas algumas coisas são realmente abusivas, como um punhadinho de pipoca (palavras de um amigo que resolveu provar o doce com sabor de churros) no valor de R$12,00 , e não era um saco de pipoca, nem um balde de pipoca, mas sim um papel enrolado em forma de cone que na minha visão não deve passar de 150g. Sobre o andar de cima, é interessante e bem mais vazio do que as praças de alimentação tradicionais de outros shoppings,  a maioria das “barraquinhas” são um misto de restaurante com garçons e fast-food. Achei o conceito interessante, gastei menos do que em um restaurante e mais do em uma praça de alimentação convencional, mas esperava um pouco mais da experiência.

Esse é o problema dessas coisas gourmetizadas, as pessoas vão em busca de experiências interessantes e diferentes, mas nem sempre encontram e ficam com a sensação de simplesmente jogar dinheiro fora, pagando bem mais do que o programa de fato vale.

Ultimamente o setor de alimentação tem sido o alvo desses famosos “raios”, mas isso também acontece com as roupas, os móveis, os apartamentos e tudo que está ao nosso redor, o que acaba gerando um sentimento de revolta, pois muitas vezes as pessoas ficam em duvida no que vale a pena investir mais dinheiro e o que só é jogada de marketing para preços abusivos.

Vivemos em uma cidade cara, não tem como negar, mas ainda assim é importante perceber onde vale a pena investir e o que não merece nosso querido dinheirinho. Existe muita coisa bacana, com matéria prima de qualidade e feita direitinho que merece o que custa, mas também tem muito trambique e enrolação, o jeito é pesquisar e procurar entender o que são, de fato, os produtos e as marcas antes de abrir a carteira. É impossível fazer uma lista do que vale e do que não vale, até porque isso varia de pessoa pra pessoa e do que cada um gosta de fazer com seu orçamento. Muitos preferem gastar com comida, outros com viagem ou roupas. Meu papel como personal shopper é ajudar cada um a diferenciar seus itens especiais que valem cada centavo dos apenas gourmetizados que não merecem investimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *