Feminismo e personal shopper na revista Elle

Em dezembro a Elle chamou atenção para um assunto muito serio em suas capas. Sim, capas, a revista fez quatro capas diferentes falando sobre mulheres e nosso direito ao respeito, independente da roupa que usamos. Um avanço muito importante em 2015 foi o debate sobre a violência que sofremos todos os dias, pelo simples fato de sermos mulheres e as #meuprimeiroassedio e #meuamigosecreto tomaram conta das redes sociais, onde muitas mulheres contaram suas histórias e esse enorme movimento fez com que as denuncias sobre esse tipo de crime aumentassem. Força, Girls!!

Em paralelo a isso, eu, como personal shopper, entro no closet de vocês e não encontro apenas roupas, mas sim uma historia de vida representada naquelas peças. Muitos armários revelam mulheres com medo de se amar, que aprenderam durante a vida todas as regras que deveriam seguir para serem mulheres de respeito, mas mesmo assim, parece que nunca estão a altura. Não é raro encontrar muitas lagrimas em meio às roupas, de pessoas que acham que nunca são boas o suficiente pro padrão. Isso é muito triste e sempre que encontro um coração machucado assim, meu trabalho vai muito além de encontrar roupas, mas sim fazer com que essa mulher encontre o amor por ela mesma, que perca a insegurança e tenha orgulho de tudo que é. Esse exercício não me foi ensinado em nenhum curso, mas fui aprendendo pela minha própria vida e pela historia de todas vocês, então é realmente muito gratificante quando conseguimos aumentar a autoestima através das roupas e alguns truques.imagem 1 feminismo, personal shopper e a revista elle

Quando vi a edição de dezembro da Elle, escrevi um comentário no facebook da revista e para a editora Susana Barbosa, sobre como fiquei feliz com aquela visão.  Ter uma revista de moda de grande porte tomando partido em favor da diversidade e do respeito é importante para a vida de tantas pessoas, inclusive as que passam pelo Compras com Estilo. Quem sabe assim, as mulheres comecem a se enxergar de outra forma, como pessoas lindas, belas e dignas de tudo que desejarem.imagem 2 feminismo, personal shopper e a revista elle

Um pedaço do meu comentário foi escolhido para fazer parte da Elle de janeiro e não posso explicar o quanto fiquei feliz com essa oportunidade de estar presente em uma publicação de grande alcance. Assim, além de me posicionar sobre um assunto tão importante para a sociedade, também posso começar a desmistificar minha profissão. O trabalho de um personal shopper não é fútil e nem ligado ao consumo desenfreado. A consultoria de estilo serve para ajudar pessoas a entenderem tudo que elas têm de bom e fazer escolhas inteligentes para mostrar pro mundo, e principalmente para elas mesmas, o quanto são maravilhosas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *